20090825

o segredo

sabes guardar um segredo, perguntou a velha, visivelmente ansiosa. Outros olhos, mas não os dela, notariam o tédio na resposta mole que ele atirou. Com crescente ânimo, começou a falar-lhe dos seus tempos de juventude, onde jurara não conceber. Discorreu durante minutos, sempre distante, como se falasse de longe, ou nunca tivesse sido mais do que uma miragem; enquanto ele aqui e ali empenhando-se em segurar a cabeça, tonta de sono, apanhava uma ou outra palavra, vagamente consciente da impossibilidade de as recontextualizar, da facilidade com que ela poderia aperceber-se e da fatalidade que isso seria. A velha acabou por calar-se, e silêncios depois, pediu-lhe um copo de leite. Como um balde de água fria; aparentou resolução de movimento; abandonou a mão dela sobre a mesa; e distanciou-se na direcção do corredor, sem deixar de exibir uma carantonha pensativa, como se reflectisse nas palavras



que não haviam chegado sequer a ecoar dentro dele, mas tão atrapalhado, que ia tropeçando no banco, algures no escuro esbranquiçado da cozinha. Enquanto abria a porta do armário, pegava na chávena, retirava o leite do frigorífico, voltava a fechá-lo, pegava numa colher e procurava o açúcar. Começou lentamente a formar-se no seu espírito o discurso da velha, como se adormecida, uma parte de si, tudo tivesse escutado e estivesse agora, como quem acorda lentamente numa manhã quente, a contar-lhe tudo. No mesmo tempo que uma sensação desconfortante o invadia, o tom grave do discurso monocórdico e o significado roxo, de contornos cada vez menos flácidos; a tudo isto foi arrancado, pelo ranger soturno da cancela a abrir-se. Voltou à sala. A velha estava morta, com a mão pousada sobre a mesa . . . ..


Carlos César Pacheco, 17 de Outubro de 1993, 18h

7 comentários:

Gala Dmitrievna disse...

consigo imaginar tão bem as 18h num qualquer moleskine (ou afins) perto de ti
tu és uma caixinha de surpresas
de onde menos se espera

e agora só me consigo lembrar daquela expressão "cuidado com o que desejas"

Be good

Paula dixit

maria disse...

Quando os segredos se tornam palavras...

Deixo a minha admiração

José Jorge Frade disse...

bons instantes...

Elcio disse...

Gostei de vir parar aqui, de ler seus posts...voltarei mais vezes.

É isso aí.

[ ]´s

maria valadas disse...

Tenho-o lido nos e.mails... mas dá-me prazer visitar o seu espaço.

Bom momento de leitura.

Beijos.

Frederico Vicente disse...

Tu é fenomenal, desculpa a pessoa, mas é tão plena a intimidade dos teus textos. Gosto particularmente deste, um registo prosa poética que me agrada muito. Porém o poema: Principio de um alfabeto é soberbo ...

Convido-te a visitar o meu modesto blog http://palavrasinverso.blogspot.com

Anónimo disse...

Gostei bastante da descrição auto-biográfica. Não quer isto dizer que não gosto deste texto em particular ou dos outros que por aqui vão. Simplesmente ainda não os li.
Anónimo

Palavras nos meus poemas:

A minha foto
[autobiografia]


gosto principalmente de não fazer nada, assim deitado de costas, aguardo que as nuvens formem letras por cima da minha cabeça (cavalos, não! - se formarem cavalos, fico logo irritado, mesmo que chova em seguida); aprecio principalmente os textos ritmados , e se se trata de poesia, o soneto; quanto ao conteúdo, que esconda sob a singeleza aprofundada reflexão; e a música, a composição dos elementos para instrumentos naturais, que seja harmoniosa e com conteúdo formal; em suma, aprecio boa música e boa literatura (nada de modernices); também gosto de melancia.

Nota: todos os textos neste espaço estão registados no IGAC, mas podem ser livremente copiados, desde que me mencionem como autor, tenham o link http://forteondaserena.blogspot.com/ e reproduzam esta nota, sem alterações.
.
[biografia]

Não (se ?) sabe se nasceu. Segundo o pai: “nunca há-de ir a lado nenhum”. Não frequentou a escola de Belas-Artes. Frequentou, sem êxito perceptível, a faculdade de ciências. Segundo alguns familiares: “é egoísta e só pensa em si próprio”. ...linguagem... ...conceptual... ...som... (...de que é a forma do espaço agarrado por uma mão aberta...) Em Agosto de 1992, vestiu-se, comprou um jornal, leu diversos anúncios. Segundo o pai: “ainda não sabe o que anda aqui a fazer”. Não conheceu Feldman, Scelsi ou Nono. É quase cego, gastando por isso muito tempo a olhar. Diz frequentemente: «século xx», «trinta e cinco mil anos», «dezasseis mil milhões de anos». Não faz nada.

Não assistiu à conferência “A arte como modo de conhe­cimento” de Jacob Bronowsky nas A. W. Mellon Lectures in Fine Arts em 1969, na National Gallery of Art de Washington D. C.; Segundo o pai, "vai morrer a fome pois não gosta de trabalhar”. Não se sabe onde estava, em Maio de 1833; Apesar de gostar de estar sentado, gosta muito de andar de comboio; “Consciência” — conceito fundamental; Escreve e fala fluentemente português; Em 1997 viu uma árvore; Desenvolveu um sistema que lhe permite estar vivo sem que o pareça; Gosta de estar parado; Não gosta de dormir; Gosta de fazer.
.

ao mar

Subscreva a newsletter e receba no seu mail um poema novo, em cada semana.
Email:
Visit this group

ou o silêncio